Login

Contagem Regressiva

Veteranos relatam experiências inesquecíveis e novatos não escondem ansiedade.

 

          É voz corrente e quase unânime na Irmandade: quem participa de uma Convenção jamais a esquece, volta com uma nova visão e espera poder participar de outras. É nesse clima de grande expectativa que estão os companheiros e companheiras alagoanos para receberem os visitantes de todo o Brasil e de outros países que estarão em na XIX Convenção Nacional de AA, com participação dos Grupos Familiares Al-Anon, entre os dias 21 a 23 de abril de 2016, no Centro Cultural e de Exposições Ruth Cardoso. Veteranos de uma ou mais convenções, transmitem essa emoção àqueles que nunca participaram de uma. São essas experiências, vivências e expectativas que serão mostradas nos depoimentos e relatos que se seguem:

 

Nona vez

          Sílvio M. completou em junho passado, 39 anos de sobriedade e continua indo com regularidade ao Grupo Alvorada, em Cuiabá.

‘Preciso estar nele’, resume Sílvio, com a simplicidade de quem já passou por todos os encargos na irmandade.  É o membro mais antigo de AA hoje em Mato Grosso.

De 1974 até agora, participou de Convenções em Belo Horizonte, Porto Alegre, São Paulo, Blumenau, Curitiba, Fortaleza, Brasília e Manaus. Para ele são experiências enriquecedoras no conhecimento da irmandade e no aprimoramento do programa. “É uma troca, conhecer novos, reencontrar os antigos,  e aprimoramento de conhecimentos”, diz o experiente mentor. 

Três momentos diferentes

          Enio D, do Grupo Beira Rio de Cuiabá, já esteve em três convenções: Brasília (1992), Rio (1997) e Manaus (2007). Em cada uma delas momentos e expectativas diferentes. A Convenção de Brasília, segundo Enio, deu-lhe  uma nova visão da irmandade.  Embora já tivesse participado de alguns encontros estaduais e seminários regionais, ele não imaginava a grandiosidade de AA. “Na Convenção de Brasília percebi que AA não se resumia a alguns “gatos pingados”,  que se reuniam em pequenos grupos quase isolados, mas sim uma grande Irmandade’.

A Convenção de 1997, no Rio de Janeiro, que marcou os 50 anos de AA no Brasil, foi na opinião de Enio mais ampla e carregada de espiritualidade nos seus temas e muito bem organizada, a partir da recepção às caravanas. Dois momentos que Enio D considera marcantes foram a palestra de veteranos e a reunião de propósitos especiais. Na de veteranos, o mais ‘novo’ tinha 35 anos de sobriedade; outro com 43. A reunião de Propósitos Especiais chamou atenção, pois mostrou a diversidade dos membros de AA. Até então a irmandade era vista por ele quase como um grupo só  com a participação de homens e algumas raras companheiras.

A Convenção, realizada em Manaus em 2007, foi de ‘observação e busca de experiência’ para os companheiros de Mato Grosso, que iam organizar o próximo grande encontro. Praticamente toda a comissão que seria responsável pela Convenção de Cuiabá foi até a capital amazonense. ‘Lá pudemos observar como fazer uma convenção, colocar em prática os pontos positivos, que foram a maioria e evitar cometer alguns erros, que foram poucos’, conclui Enio.

 Momento de aprendizado

            Luiz M., do Grupo Coragem para Mudar de Maceió, ingressou em A.A. em junho de 1980 e participou das seguintes Convenções Nacionais: VII (Fortaleza), VIII (Blumenau), IX (João Pessoa), X (Curitiba), XII (Brasília), XIII (Teresina), XIV (Rio de Janeiro), XV (Salvador), XVI (São Paulo) e XVIII (Cuiabá). Gostaria de ter participado de todas que aconteceram entre os anos de 1982 a 2012, mas motivos alheios a sua vontade impediram-no de estar presente na XI (Belém) e na XVII (Manaus).

            Considera esses momentos como uma grande oportunidade de aprendizado e crescimento espiritual. Aproveitou sua ida a Cuiabá, juntamente com vários companheiros de Maceió, para aprender com os companheiros cuiabanos. Saiu de lá enriquecido com tudo o que viu, com as orientações que recebeu e, por isso, na condição de Coordenador do CEC para a XIX Convenção de 2016 só tem palavras de agradecimento.            

 Espera de 25 anos

             Djalma, do Grupo Reencontro do bairro Chã de Bebedouro, em Maceió, chegou a A.A. no ano de 1986 e participou de quatro Convenções Nacionais. Esses momentos para ele foram inesquecíveis. Conta que há 25 anos a Área 19 (Alagoas) sonha com a possibilidade de sediar um evento desse porte e agora, está feliz em ver que esse sonho está prestes a ser realizado. Integra o CEC Nacional como coordenador da Comissão de Apoio.

Grande expectativa

            L.C.O. é uma companheirado Grupo Coragem para Mudar, com 05 anos de sobriedade que nunca participou de um grande evento de A.A., vejamos o seu relato: “É a primeira Convenção que irei participar. Minhas expectativas são de que encontre uma estrutura que nunca presenciei, com temas que nem imaginava que poderiam ser compartilhados. No dia de hoje acredito que entrar em contato comigo mesma através dos depoimentos de outros companheiros de A.A. na Convenção, permitirá um contato com meu Poder Superior de maneira única e inesquecível”

Acesse o site da Convenção Nacional de Alcoólicos Anônimos http://www.alcoolicosanonimos.org.br/convencao2016/